quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Julgamento sobre morte de Michael Jackson já começou

Conrad Murray, médico pessoal do artista, viu-se acusado de ter demorado 20 minutos a pedir assistência de paramédicos e de não saber os procedimentos de reanimação

Na primeira audiência do julgamento que leva ao banco dos réus o médico pessoal de Michael Jackson acusado de homicídio involuntário, Conrad Murray viu-se esta terça-feira novamente acusado de ter demorado muito tempo dar assistência médica ao artista e de ter recolhido provas antes de chamar os paramédicos.

Na audiência, o vice-fiscal do distrito de Los Angeles, David Walgren, reiterou que passaram mais de 20 minutos entre o momento em que Conrad Murray descobriu o cantor de 50 anos na sua cama sem respirar e o momento em que um membro da equipa de segurança chamou uma ambulância.

Murray viu-se ainda acusado de não ter realizado de maneira correcta os procedimentos de reanimação, ao fazê-lo apenas com uma mão e de ocultar de lhe tinha administrado o poderoso analgésico propofol.

É importante referir que neste momento o dr. Conrad Murray não ligou nem pediu que se ligasse para os serviços de urgência, declarou Warren, citado pela Reuters, na sala de audiência. Em vez disso, o Dr. Murray pediu a um guarda-costas que o ajudasse a recolher provas médicas e outra parafernália, continuou.

A versão da acusação é confirmada por Faheem Muhammed, chefe de segurança, chamado a depor pela acusação na audiência desta terça-feira.

Muhammad disse que se encontrava junto a outro membro da equipa de segurança, Alberto Alvarez, quando encontrou Murray, em pânico, a gritar : Alguém sabe como se faz a reanimação?

Olhei para o Alberto porque ambos sabíamos que era um cirurgião cardíaco, portanto estávamos chocados, declarou Muhammed, citado pela CNN.

Quando a defesa perguntou ao antigo chefe da equipa de segurança do artista se o médico não estaria apenas a pedir ajuda, Muhammed replicou: Perguntou-nos aquilo como se não soubesse como se faz o procedimento.

A sala onde decorreu a primeira fase do julgamento do caso de Michael Jackson contava com a presença de grande parte da família Jackson, como a mãe, Katherina, a irmã La Toya e os irmãos Randy e Jackie. À porta do tribunal, juntavam-se dezenas de fãs que reclamavam justiça.

A primeira fase do julgamento deverá demorar pelo menos uma semana. Na audiência desta quarta-feira será a vez de Alberto Alvarez a testemunhar.

Michael Jackson, conhecido como O Rei do Pop morreu no passado dia 25 de Junho de 2009, depois de ter tomado uma grande quantidade do poderoso analgésico - e normalmente usado em cirurgias - proporfol.

O Que Passou Por Aqui !

Saraiva