sexta-feira, 24 de junho de 2011

Irmã de Michael Jackson diz que este temia ser morto

Michael Jackson passou os últimos meses da sua vida amedrontado, convencido que seria morto por pessoas desejosas de aceder ao seu valioso espólio musical, diz a sua irmã LaToya Jackson.

LaToya faz esta revelação no seu novo livro, 'Começar de Novo', onde também relata os seus próprios problemas, incluindo o complicado casamento com o marido e manager Jack Gordon.

A cantora diz que ela e o irmão passaram por experiências semelhantes, ao serem controlados e manipulados por personagens sombrias que os afastaram da família.

A diferença é que eu acabei por ser capaz de me afastar e começar de novo. Michael não pode fazê-lo, acrescentou.

Amanhã, sábado, assinala-se o segundo aniversário da morte do 'Rei da Pop', que morreu aos 50 anos.

O médico de Michael Jackson, Conrad Murray, está acusado de homicídio involuntário, por lhe ter provocado uma overdose com a administração do anestésico propofol e outros sedativos. O médico declarou-se inocente e será julgado em Setembro.

LaToya considera, porém, que Murray é o bode expiatório e acrescentou que outras pessoas deviam ser investigadas. Aliás, descreveu a morte do irmão como o resultado de uma ampla conspiração.

Michael Jackson era o co-proprietário do valioso catálogo da Sony/ATV, dos direitos de autor das músicas dos Beatles, entre outros, e a sua irmã mais velha considera que foi morto por causa do controlo desta fortuna.




Foi uma coisa premeditada, eles planeavam excluir o meu irmão; Michael sabia-o e foi por isso que me disse repetidas e repetidas vezes o que lhe iria acontecer acusou a cantora. Ele explicou-me: é por causa do meu espólio.

O Que Passou Por Aqui !

Saraiva