terça-feira, 5 de julho de 2011

Sai no Brasil nova biografia de Michael Jackson

Para os fãs de música pop que vieram ao mundo entre o fim da década de 1950 e o começo da de 1970, Michael Jackson representou aquilo que os Beatles significaram para a geração de dez anos antes. O jornalista americano Nelson George é um representante da geração Michael Jackson. Nascido em 1957, um ano antes do astro, ele cresceu ao som do Jackson 5 e viu sua carreira de crítico e especialista em música negra deslanchar ao mesmo tempo em que acompanhava o crescimento do cantor rumo ao superestrelato.

No livro “Thriller — A vida e a música de Michael Jackson”, recém-lançado no Brasil pela Editora Zahar (tradução de Alexandre Martins), George parte de suas experiências pessoais para traçar um perfil do astro. Ao longo das 197 páginas, além de analisar faixa a faixa o disco de maior sucesso de Michael, “Thriller” (1982), o autor apresenta alguns pontos de vista originais. George interpreta os uniformes militares usados por Michael no fim da carreira como uma referência à fase “Sgt. Pepper’s” dos Beatles e, contrariando a opinião corrente, livra a cara de Joe Jackson, o execrado pai de Michael, normalmente apontado como responsável por traumas de infância que teriam originado as esquisitices do astro.

— Nós, americanos, temos por hábito culpar os pais por tudo. Joe é, certamente, uma vítima — diz o autor, em entrevista ao GLOBO por e-mail. — Ele não é um cara simpático, não tem charme nem habilidade para lidar com a mídia. Nunca foi capaz de explicar por que Michael e seus irmãos foram criados daquela forma. Joe começou a vida como metalúrgico, em Gary, Indiana, e levou esse estilo rude quando foi para Hollywood.

Para George, Joe Jackson foi responsável por ensinar aos filhos — principalmente Michael — a ética do trabalho, ainda que com métodos questionáveis.

Segundo o autor, graças ao pai, o cantor aprendeu que, para triunfar em qualquer profissão, é preciso trabalhar duro. George enxerga a mesma obstinação em outra estrela contemporânea:


— Assim como Michael, Beyoncé possui a mesma ética do trabalho e a compreensão do que é compor canções que se tornam hinos. Ela pensa grande e entrega com grande precisão. Ninguém será como Michael Jackson, mas a visão global de Beyoncé é bem impressionante.

A ambição pelo superestrelato foi um dos combustíveis da carreira de Michael Jackson. No livro, Nelson George mostra a quase obsessão que o cantor tinha pelos Beatles, a maior banda de todos os tempos e, por isso mesmo, um “adversário” a ser vencido. Além de ter comprado os direitos sobre as músicas do grupo — investimento, que, como mostra o livro, ironicamente, garantiria mais tarde que Michael não fosse à falência —, ele gostava de aparecer em público vestindo uniformes militares semelhantes aos que John, Paul, George e Ringo usaram na capa de “Sgt. Pepper’s”.

— A interpretação padrão é de que as fantasias seriam uma volta à infância. Mas acho que os uniformes de líder de banda marcial que Michael usava, uma conexão mais musical do que militar, serviam, em parte, para ligá-lo aos Beatles — interpreta. — Se ele se pretendia o Rei do Pop, estava se pondo em competição com o maior grupo de todos os tempos.

O Que Passou Por Aqui !

Saraiva