domingo, 18 de dezembro de 2011

Um dia Frio em Berlim

Um dia frio em Berlim
Agnes Spett, Hungria


Em Novembro de 2002, Michael viajou para Berlim para receber o "Bambi Award". Eu e as minhas amigas fomos para o seu hotel, e apesar do frio gelado, ali estavam centenas de fãs de toda a Europa e de "além-mar" esperando-o. Cada vez que ele olhava pela janela, toda a gente gritava e lhe acenava, felizes, mostrando-lhe os seus cartazes, era um sentimento incrível. Só Michael poderia criar esta atmosfera que nós vivemos em frente ao seu hotel "Adlon", perto da Porta de Brandemburgo.

Nós fomos para o seu hotel de manhã cedo, no dia 21 de Novembro, esperamos e esperamos no frio do inverno. Aproximadamente ao meio-dia, depois de ele acordar, Michael veio imediatamente à janela para saudar e brincar com os fãs, ainda usando as calças do pijama.

Nós continuávamos a mostrar-lhe os nossos cartazes e ele apontava na nossa direção. Nós o vimos explicando algo ao seu guarda-costas, que apareceu na entrada do hotel poucos minutos mais tarde e convidou-nos a entrar. Eu estava realmente excitada e nervosa ao mesmo tempo, porque sabia que alguma coisa grande ia acontecer! Na realidade, nunca esperei conhecer Michael pessoalmente porque pensei que fosse impossível. Afortunadamente não tive muito tempo para pensar nisso, porque, apenas alguns minutos mais tarde, nós já estávamos em frente a Michael, no seu quarto de hotel.

Ele disse-nos que éramos bem-vindas, e desde o primeiro momento vimos como ele era gentil, honesto, divertido e doce. Ele deve ter percebido que esta era a primeira vez que o estávamos a ver e penso que então ele quis ter certeza que nos sentíamos confortáveis. Nós não sentimos absolutamente nada a distância fã-superstar. Ele disse piadas, sorriu muito, ele era muito terra-a-terra.
Michael até nos convidou a sentar no sofá, pediu-nos para dizermos algumas palavras acerca dos nossos cartazes que lhe tínhamos feito. Ele amavelmente deu-nos autógrafos - de fato o seu guarda-costas disse-nos que se quiséssemos alguma coisa assinada poderíamos pedir.

Michael não se importou que eu tenha levado várias coisas de meus amigos para ele assinar. Ele abraçou-nos e foi tão aberto e confiante que até nos mostrou o seu filho Prince. Quando uma amiga minha, que tinha ficado lá fora na rua me telefonou, eu entreguei o telefone a Michael para ele atender e assim surpreendê-la. E surpreendeu, e conversou com ela. Ele era simplesmente fabuloso!


Enquanto lá estivemos, a janela da sala de estar estava aberta e nós pudemos ouvir algumas vezes os fãs cantando "Sony sucks" (aos quais Michael se juntava e repetia, no quarto) ou simplesmente chamavam-no para chegar à janela. A certa altura ele decidiu aparecer na janela e nós fomos com ele. Foi realmente divertido! Porque nos dias anteriores, nós costumávamos cantar com os outros fãs lá em baixo na rua quando Michael olhava lá para fora. Não podíamos evitar juntar-nos ao entusiasmo dos outros fãs, só que desta vez nós estávamos mesmo ao lado de Michael.

Michael achou que isto era muito divertido e começou a rir realmente alto - ele deve ter sentido o que se passava na rua estando mesmo no meio de nós.

Eu e as minhas amigas jamais esqueceremos aqueles 20 minutos que passamos com Michael e estamos muito gratas pelo amor e pela experiência que ele nos deu.
Obrigada, Michael! Nós amamos-te... mais!

Tradução e Colaboração: Nela

O Que Passou Por Aqui !

Saraiva